Sinopse

Unindo teatro e audiovisual, o experimento artístico apresenta uma pequena antologia afrosurrealista de quatro cenas em que um manual desvenda como o racismo estrutural imobiliza, física e subjetivamente, a população negra exigindo dela uma reação.

Direção

Marcelo Ricardo e Vagner Jesus

Marcelo Ricardo Graduando em Comunicação Social pela Universidade Federal da Bahia, Marcelo atua no segmento literário e na realização em audiovisual, tendo experiências com produção e comunicação no segmento artístico. Produziu o documentário “Barco do outro lado da memória”, com apoio do Canal Futura, da Fundação Roberto Marinho e a Associação Brasileira de Televisão Universitária (ABTU). Participou da série documental, “Travessias Negras” (2016), com direção de Antônio Olavo, pela Portfolium Filmes, e também produziu e dirigiu a videorreportagem “Corpos Violentos ou Corpos Violados?”, em parceria com a Revista Afirmativa e a Produtora Tela Preta. Participa da formação de roteirista pela Usina do Drama, grupo de extensão da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia. Poeta, contista e roteirista, o artista já foi premiado pelo concurso nacional da Juventude Literária da Editora Malê (RJ), sendo um dos finalistas baianos do prêmio. Já participou de diversas antologias poéticas da cidade, como o Projeto Enegrescência, Sarau da Onça e da Editora Organismos. Vagner Jesus Vagner Jesus; Ator desde 2011, iniciou a carreira artística no Teatro É ao Quadrado. Teve sua primeira experiência profissional em 2017, através do Bando de Teatro Olodum, onde também trabalhou na área de produção cultural, na condição de estagiário. Em 2018, foi indicado como ator revelação para o Prêmio Braskem de Teatro da Bahia, pela atuação no Espetáculo V de Viado. Atualmente, estuda o curso de BI em Artes na UFBA e para além de atuar, realiza pesquisas na área de cinema alternativo. Entre os trabalhos mais importantes destacam-se os espetáculos: Áfricas (direção de Chica Carelli); Ó Paí, Ó! (direção de Marcio Meirelles); Abertura do Novembro Negro no TCA (Direção de Thiago Romero e Zebrinha); Erê (direção de Onisajé e Zebrinha), V de Viado (direção de Leno Sacramento) e Sarauzinho da Calu (direção de Cássia Valle), espetáculo premiado pelo Prêmio Braskem de Teatro da Bahia 2019. Em audiovisual: ep. Mainha sim que é Hexa! (Na Rédea Curta); Nem Me Covid (Curta independente criado em tempos de quarentena); O Conto de Nghala e Badu (Curta independente em parceria com Ella Nascimento) e Café com Oliver (Produção Coletivo Salva)