CINE ALTER 2021

As Mostras do CineAlter: Festival de Cinema Latino-Americano de Alter do Chão – Edição 2021 terão nomes das árvores nativas da Amazônia: a grandeza da Samaúma, a beleza do Ypê, a força da Castanheira, a resistência da Seringueira e a benevolência do Açaizeiro. 

Homenagens a estes seres da natureza que emanam exuberância e são símbolos da vida em suas variadas formas, aliás esta é a raiz do que se busca apresentar nesta edição. 

Além do enfoque sobre a vida, a criatividade e beleza para descrever cotidianos, desafios, alternativas, vivências diante da pandemia e outras crises. Dores, mas também surpresas de construção de novos caminhos e personagens da nossa diversidade contemporânea. 

Há um espaço especial para histórias da periferia, com o uso da linguagem experimental, produções de baixo custo e equipamentos alternativos, audiovisual universitário, tudo o que for “fora do eixo”, com o foco nas realidades brasileiras. 

Vivência, retrato e relato dos povos tradicionais, dos indígenas aos ciganos, mas também quilombolas, extrativistas, pescadores, ribeirinhos. Filmes que trazem a experiência desses povos, sua própria visão, numa linguagem que já nasce forte, pois em sua essência não pertencem ao avanço violento sobre a natureza e ao individualismo da contemporaneidade. 

Teremos também uma Mostra dedicada aos Clássicos da Amazônia feitos por amazônidas e sobre amazônidas, sua cultura, suas vivências, desafios, que tenham provocado impacto no cinema da Amazônia em nível regional ou local. Clássicos antigos ou contemporâneos. Apresentar novos clássicos regionais é um dos motivos desta mostra existir. 

Outra Mostra será dedicada ao cinema do Pará. Que existe e resiste! Busca -se uma abordagem e linguagem livre, que façam nos identificarmos enquanto paraenses. Uma mostra regional com recortes das variadas regiões do Pará e que explorem essas especificidades. 

Nesta ampla diversidade riquíssima de filmes que esperamos, nosso intuito é contribuir para o debate acerca das temáticas apresentadas através do cinema, explorar o audiovisual como um instrumento em prol da defesa da Amazônia e seus povos, enfatizar nossas belezas, mas também nossos desafios e relacionar a nossa região com o restante do país e a América Latina, unindo nestas narrativas nossas afeições enquanto povos deste grande continente.